Páginas

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Ano Novo/Esperança




TEMA/CONTEÚDO: Ano Novo/Esperança.

Relembrar as conquistas obtidas durante o ano e planejar as realizações para o seguinte.


MOTIVAÇÃO INICIAL: Desejos.

Fazer uma lista com duas colunas. Numa delas as crianças escrevem uma lembrança de algo bom que tiveram durante o ano e na outra, escrevem um desejo/uma realização para o próximo. Reservar para que a lista seja completada posteriormente.


DESENVOLVIMENTO DA AULA: O Sermão do Monte.

Apresentar as seguintes frases de "O Sermão do Monte".

*Bem-aventurados os mansos porque herdarão a Terra.

*Bem-aventurados os limpos de coração porque verão a Deus.

* Vós sois o Sal da Terra.

* Entra em acordo sem demora com teu adversário.

*Pedi e obtereis.

Explicar cada uma das frases, procurando trazê-las para a realidade das crianças. Alertar para o fato de que Jesus deseja a nossa ação, a melhora de conduta para atingirmos a felicidade.

VERIFICAÇÃO/ FIXAÇÃO.


Lista de desejos.

Retornar a lista usada na motivação inicial. Agora, com as explicações do texto bíblico, as crianças a completarão com planos para o próximo ano. Conversar com elas, orientando-as que, dependendo do nosso esforço e merecimento, nossos desejos poderão ser concretizados.

Cantinho do saber: O progresso reunirá um dia todos os povos da Terra numa só nação?
(...)Quando a lei de Deus contituir por toda base a lei humana, os povos praticarão a caridade de um pra com o outro, como os indivíduos de homem para homem, vivendo felizes e em paz, porque ninguém tentará fazer o mal ao vizinho ou viver as suas expensas.

DOBRADURA

Fazer uma dobradura conforme o modelo abaixo. Escrever em cada face uma realização para o próximo ano. Colorir e brincar com os colegas.





Dica/Bibliografia:

Kardec, Allan - O Livro dos Espíritos, pergunta 789.
Diversos, Autores - Iniciação Espírita, caps. 11 a 14 "Interpletação do Sermão do Monte", Editora Aliança.
Calligaris, Rodolfo - O Sermão a Montanha, FEB.
Mateus, 5-7.



domingo, 18 de dezembro de 2011

JESUS, nosso mestre e guia!



Vim pra ficar na tua casa.

Eu vim ao mundo, numa noite fria e eis que nasci em uma pobre manjedoura pois não havia lugar para mim na hospedaria.

Mesmo diante das circunstâncias que o mundo me ofereceu, recebi um profundo amor de Maria e José meus pais, que antes de meu nascimento prepararam tudo para a minha chegada.

O tempo foi passando e eu fui crescendo em sabedoria e humildade, e fiz a minha opção em buscar as coisas do Pai.

Em virtude desta minha escolha vieram muitas coisas boas, realizei curas, milagres, prodígios, com isso muitas pessoas mudaram de vida, se converteram, passaram a crer em Deus e suas vidas se modificaram. Mas ao aceitar os planos do Criador em minha história, apareceram as dificuldades, tribulações e sofrimentos que me levaram a morte de Cruz.

Apesar de tudo o que passei; se fosse necessário faria tudo novamente, pois o Pai jamais me abandonou, e me ensinou que o significado do amor está em dar a vida por amor ao próximo, e é perdendo que se ganha a eternidade.

E esta é minha história que se comemora a todo ano, recordando o menino que veio salvar o que estava perdido, e você pode se tomar um Salvador, acolhendo a estas palavras e deixando que eu entre em seu coração.

‘Um Santo Natal e que Jesus e Maria abençoe você e sua família...

E venha um Ano Novo cheio de paz...


(Desconheço a autoria)


domingo, 20 de novembro de 2011

O Nascimento de Jesus


A MAIS BELA HISTÓRIA

José e Maria fecharam sua casinha em Nazaré e partiram para Belém.

Eles iam cumprir uma ordem do imperador.

A ordem era esta:

__ O imperador quer fazer uma lista de todas as pessoas que ele governa.

Para isso, cada pessoa deve ir à cidade onde nasceu para dar seu nome.

Maria e José andaram muito.

Quando chegaram a Belém, não acharam lugar nas hospedarias.

Então, Maria e José saíram ar o campo à procura do lugar, onde os animais se escondiam das tempestades ou do frio da noite.

Lá, acharam uma gruta, onde um boi e um burrinho dormiam.

Jesus nasceu ali, à meia-noite.

Maria enrolou-o em paninhos.

José fez uma caminha de capim, na manjedoura dos animais.

Depois, Maria e José ajoelharam-se e adoraram Jesus.

Eles sabiam que Jesus era o menino-Deus!

Na mesma hora, apareceram anjos que voavam e cantavam pelo campo e ao redor da gruta. Uma grande estrela brilhou no céu. A noite ficou de repente clara, clara como o dia.

Os pastores que vigiavam suas ovelhas ficaram assustados e perguntavam uns aos outros:

__ Que foi que aconteceu?

Mas um anjo lhe disse:

__ Não tenham medo. Eu venho anunciar a vocês que Jesus nasceu. É pobrezinho, está enrolado em paninhos e deitado numa manjedoura.

Então, os pastores pegaram uns cordeirinhos, os mais bonitinhos, e forma à procura de Jesus.

Eles chegaram à gruta e espiaram lá dentro.

Eles viram Jesus enrolado em paninhos e deitado na manjedoura, como o anjo lhes contara. Então entraram na gruta, ajoelharam-se e adoraram a Jesus.

Cada um deixou seu cordeirinho de presente para Jesus.


Tópicos

*Por que comemoramos o Natal?

*Porque só somos fraternos nessa época do ano? (o natal sem fome, doação de roupas e brinquedos...)

*O consumismo excessivo: O Natal está perdendo o seu significado? (Texto 1)

*Comparar: Como nos sentiríamos se ninguém se lembrasse do nosso aniversário? Como Jesus se sente vendo que damos importancia a outras coisas: presentes, ceia farta... ao invés de lembramos do seu nascimento e o que isso representa para a humanidade?

*Por que tantas luzes e pouco brilho nos olhares?


Texto 1

SIGNIFICAÇÃO DO NATAL E
ANO NOVO PARA CHICO XAVIER

PERGUNTA: - Você acha que o Natal está perdendo o significado?

CHICO XAVIER: - Não, não acredito que esteja perdendo o significado, porque de ano a no todos os cristãos se reúnem, num pensamento só, no recolhimento e na glorificação de Jesus Cristo, como sendo o Embaixador da Paz e do Amor na redenção da Terra. É possível que, com o aumento da população na cidade, com a explosão demográfica, muita gente esteja ainda despercebida do Natal, mas o Natal continua ainda dominando o coração das criaturas.

PERGUNTA: O que representa o Natal para os espíritas?

CHICO XAVIER: A necessidade de nos amarmos uns aos outros, segundo Jesus nos ensinou, perdão das ofensas, o esquecimento das injúrias, o cultivo do trabalho, a fidelidade ao dever, a lealdade aos compromissos assumidos, o lar, a família, a alegria de nos pertencermos uns aos outros, através dos laços da fraternidade. Isto tudo é Natal. É nossa mãe, nosso pai, quando estejam no Plano Espiritual. Natal representa nossos irmãos muito queridos, ainda mesmo aqueles que não se encontrem conosco. É muito amor, muita saudade, mas é, sobretudo, muita união para que se faça o melhor em cada Novo Ano que aparece.

DO LIVRO: Chico Xavier - O Homem, o Médium, o Missionário

AUTOR: Antônio Matte Noroefé.


PARA CASA:

Fazer um relatório sobre o comportamento das pessoas nas ruas nesse período. O que se vê de diferente nas casas. Se os amiguinhos brigam menos. Se há mais harmonia na família. Descrever tudo o que virem. (Como é na hora da compra dos presentes? Se são educados, pacientes, mantém a calma...)




segunda-feira, 14 de novembro de 2011

O Natal no Mundo Espiritual







Como é comemorado o Natal no Mundo Espiritual? É parecido com o de nós encarnados?



Abaixo um trecho do Capítulo do Livro Violetas da Janela, em que Patrícia narra sobre o Natal no Plano Espiritual.



"...O Natal na Colônia é lindo! Jovens e crianças organizam recitais, danças, palestras, encontros para conversar e ouvir músicas. Isto é para que ocupem o tempo e não sintam a saudade dos encarnados, distraem-se suavizando suas próprias lembranças.O grupo de jovens organizou visitas a outras Colônias e me convidou, aceitei contente. Iam apresentar uma peça de teatro e cantar. Jovens são animados. Fazem teatro como amadores, embora, às vezes, haja os que têm talento de artista. São peças bonitas, sadias, que sempre trazem ensinamentos profundos. Muitas das canções apresentadas são conhecidas dos encarnados, principalmente as natalinas. Outras lindíssimas são de compositores do Plano Espiritual. Crianças e jovens têm seus corais e estão sempre se apresentando em festividades da Colônia e, quando convidados, vão a outras Colônias. Fazem muito sucesso, apresentam-se muito bem. A música é uma grande terapia. Adultos também podem fazer parte de corais, grupo de músicos, como também fazem teatros.






... Os organizadores da Colônia planejam longa programação nesta época do Natal. Na praça todos os dias há apresentações de peças teatrais, corais, músicos, tudo muito alegre. O Educandário fica todo enfeitado, fazem presépios, enfeitam árvores com luzes e bolas coloridas, lembrando enfeites dos encarnados. Tudo é feito para alegrar as crianças. Trabalhadores vestem-se de palhaço, há jogos, danças e a criançada se diverte.Não há trocas de presentes, mas votos sinceros de harmonia e paz.Cada ano, na época de Natal, há um ensinamento como objetivo. Neste ano foi: “A importância de Jesus ter encarnado na Terra”. Há algumas faixas com estes dizeres pela Colônia, como também dizeres saudando seus moradores e hóspedes. Por toda a Colônia há palestras sobre o tema deste Natal. É muito bonito, educativo e emocionante.Já pensou se Jesus não tivesse encarnado entre nós?... O Educandário é grande e nesta época fica mais bonito ainda. Seus parques ficam enfeitados, procuram seus orientadores organizar muitos lazeres e distrações, quase todos ao ar livre. Conversávamos muito, reuníamo-nos em grupos, trocando idéias sobre as palestras ouvidas. A Colônia fica nesta época muito movimentada. Encontrei com muitos conhecidos e a conversa rolou...Vi meus familiares várias vezes pela televisão.O Natal passou em festa, embora os trabalhadores se descobrissem em trabalho como em todas as épocas de festas de encarnados, nas quais há muitos abusos. A passagem do ano aqui é mais simples. A maioria faz votos de renovação. Com alegria cumprimentam-se desejando alegrias e esperança. Logo após 1º de Janeiro, tudo que recorda o Natal é retirado e tudo volta ao normal.Meu primeiro Natal no Plano Espiritual foi de muita alegria. Como pode alguém sentir tristeza comemorando um nascimento como o de Jesus, sabendo da enorme importância que seus ensinamentos têm para nós todos?


sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O Significado do Natal




Mensagem de reflexão.


Ei, você, aonde vai com tanta pressa?


Eu sei que você tem pouco tempo...


Mas, será que poderia me dar uns minutos da sua atenção?


Percebo que há muita gente nas ruas, correndo como você.


Para onde vão todos?


Os shoppings estão lotados...


. Crianças são arrastadas por pais apressados, em meio ao torvelinho...


Há uma correria generalizada...


Alimentos e bebidas são armazenados...


E os presentes, então?


São tantos a providenciar...


Entendo que você tenha pouco tempo.

Mas, qual é o motivo dessa correria?


Percebo, também, luzes enfeitando vitrines, ruas, casas, árvores...


Mas, confesso que vejo pouco brilho nos olhares...


Poucos sorrisos afáveis, pouca paciência para uma conversa fraternal...


É bonito ver luzes,cores, fartura...


Mas seria tão belo ver sorrisos francos...


Apertos de mãos demorados..


Abraços de ternura...

Mais gratidão...


Mais carinho...

Mais compaixão...


Talvez você nunca tenha notado que há pessoas que oferecem presentes por mero interesse... Que há abraços frios e calculistas...


Que familiares se odeiam, sem a mínima disposição para a reconciliação.


Mas, porque você me emprestou uns minutos do seu precioso tempo, gostaria de lhe perguntar novamente: Para que tanta correria?


Em meio à agitação, sentado no meio-fio, um mendigo, ébrio, grita bem alto: Viva Jesus. Feliz Natal!


E os sóbrios comentam: É louco!


E a cidade se prepara... Será Natal.


Mas, para você que ainda tem tempo de meditar sobre o verdadeiro significado do Natal, ouso dizer: O Natal não é apenas uma data festiva, é um modo de viver.


O Natal é a expressão da caridade...


E quem vive sem caridade desconhece o encanto do mar que incessantemente acaricia a praia, num vai-e-vem constante...

Natal é fraternidade...


E a vida sem fraternidade é como um rio sem leito, uma noite sem luar, uma criança sem sorriso, uma estrela sem luz.


Mas o Natal também é união...


E a vida sem união é como um barco furado, um pássaro de asas quebradas, um navegante perdido no oceano sem fim.


E, finalmente, o Natal é pura expressão de amor...


E a vida sem amor é desabilitada para a paz, porque em sua intimidade não sopra a brisa suave do amanhecer, nem se percebe o cenário multicolorido do crepúsculo.

Viver sem a paz é como navegar sem bússola em noite escura...


É desconhecer os caminhos que enaltecem a alma e dão sentido à vida.

Enfim, a vida sem amor... Bem, a vida sem amor é mera ilusão.

* * * Que este Natal seja, para você, mais que festas e troca de presentes...


Que possa ser um marco definitivo no seu modo de viver, conforme o modelo trazido pelo notável Mestre, cuja passagem na Terra deu origem ao Natal...



Autor:Redação do Momento Espírita.


sábado, 29 de outubro de 2011

A Bagagem






A BAGAGEM




Quando sua vida começa, você tem apenas uma mala pequenina de mão... A medida em que os anos vão passando, a bagagem vai aumentando. Porque existem muitas coisas que você recolhe pelo caminho... Porque pensa que são importantes.



Em um determinado ponto do caminho começa a ficar insuportável carregar tantas coisas. Pesa demais...



Então você pode escolher: Ficar sentado a beira do caminho, esperando que alguém o ajude, o que é difícil...Pois todos que passarem por ali já terão sua própria bagagem. Você pode ficar a vida inteira esperando ...



Ou você pode aliviar o peso, esvaziando a mala. Mas, o que tirar ? Você começa tirando tudo para fora, e vendo o que tem dentro...



AMOR, AMIZADE...Nossa !!! Tem bastante, e curioso... Não pesa nada !!!


Você faz força para tirar.... É a RAIVA - como ela pesa !!! Aí você começa a tirar, tirar e aparecem a INCOMPREENSÃO, o MEDO, o PESSIMISMO...



Nesse momento, o DESÂNIMO quase te puxa pra dentro da mala .... Mas você puxa-o para fora com toda a força, e aparece um SORRISO, que estava sufocado no fundo da sua bagagem....

Pula para fora outro sorriso e mais outro, e aí sai a FELICIDADE... Você coloca as mãos dentro da mala de novo e tira pra fora a TRISTEZA... Agora, você vai ter que procurar a PACIÊNCIA dentro da mala, pois vai precisar bastante....



Procure então o resto: FORÇA, ESPERANÇA, CORAGEM, ENTUSIASMO, EQUILÍBRIO, RESPONSABILIDADE, TOLERÂNCIA, e o velho BOM HUMOR. Tire a PREOCUPAÇÃO também, e deixe de lado. Depois você pensa o que fazer com ela...



Bem, sua bagagem está pronta para ser arrumada de novo! Mas pense bem no que vai colocar lá dentro, hein !!! Agora é com você...

E não se esqueça de fazer isso mais vezes... Pois o caminho é MUITO, MUITO LONGO.



QUE TAL FAZER UMA FAXINA INTERIOR?



"Ninguém pode voltar atrás para fazer um novo começo, mas qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim."




CHICO XAVIER



sábado, 15 de outubro de 2011

Segurança Física.

Objetivos específicos:

*Identificar o corpo como morada do esprito.

* Justificar a necessidade de cuidar do corpo.



CONTEÚDO:

*O CORPO HUMANO "...serve de domicílio temporário ao Espírito que, através dele, adquire experiências, aprimora aquisições, repara erros, sublima aspirações."


*"Vasilhame sublime, é o corpo humano o depositário das esperanças e o veículo de bênçãos, que não pode ser desconsiderado levianamente."

* "Amá-lo, preservá-lo e utilizá-lo com nobreza é a tarefa que nos cabe desempenhar incessantemente, sem cansço, para o próprio bem."


Técnicas:

*Diálogo;
*Exposiçaõ dialogada;
*Elaboração de perguntas.


Recursos:

*Exercícios físicos;
*Jogo didático;
*Música


SEGURANÇA FÍSICA

Nosso corpo é o maior tesouro que Deus, nosso Pai, nos deu. É o nosso instrumento de trabalho na Terra e por isso cabe-nos respeitá-lo, zelando por sua segurança.
Existem muitas medidas que nos garantem desenvolver nossas atividades sem nos expormos a perigos, bastando que tomemos algumas precauções.
No lar, estamos expostos a muitos perigos. Acender o fogo, próximo as roupas, papéis, papelões ou recipientes com álcool, gasolina, querosene, óleo, pode provocar incêndios e consequentemente, nos expor queimaduras de doloroza cicatrização. Poços, fossas, abertas ou mal tampadas não devem ser nossos locais de brincadeiras, desde que poderemos vir a cair dentro delas. Em nossos jogos, é importante ter cuidado para não nos ferirmos ou a alguém: facas, e objetos pontudos não devem ser motivo de brincadeiras, bem assim armas de qualquer tipo, pedras e latas. Vários acidentes já sucederam por brincadeiras tolas com tais objetos. Existem jogos multiplos que podemos realizar com nossos amigos, sendo bom se evitar os agressivos, em que se simulem brigas e lutas, onde podemos nos ferir ou aquele com que estamos a brincar. Da mesma forma que desejamos ter respeitado o santuário do nosso corpo, temos o dever de zelar e respeitar o corpo do outro.
Nota-se que existe grande preocupação por parte de todas as criaturas pela preservação da vida, evitando acidentes de consequencias sempre dolorosas. Existem leis que regulamentam o trabalho das pessoas, definindo as medidas de segurança de cada qual, no desempenho da sua profissão, como por exemplo:o uso de capacetes em construções; de cordas e correias protetoras nos andaimes para serviços externos em prédios altos; utilização de luvas, uniformes adequados e capacetes protetores em empregados de rede elétrica, soldadores, mecânicos, protegendo assim todo o corpo.
Em cidades em ruas muito movimentadas, para atravessar a rua com segurança, temos o sinaleiro ou semáforo, que indica o momento certo de se alcançar o outro lado, sem o risco de atropelamentos.
Pendurar-se na traseira de carros, ônibus, ou caminhões pode nos trazer também amargas consequências (mesmo parecendo divertido ou nos nos poupando longas caminhadas) numa freada brusca, batida, com outro veículo, virada repentina em curva perigosa ou a nossa própria perda de equilíbrio.
A visão, a audição, a mobilidade, a palavra, todo o componente físico é por demais precioso para lesarmos por simples leviandade.
Empinar papagaios (raias, pandorgas, pipas) próximo a rede elétrica é igualmente perigoso, como soltar balões, que provocam incêndios na sua queda, colocando em risco a segurança física de muitos.
Antes de levarmos à boca qualquer substância, verificar com atenção do que se trata, pois substâncias tóxicas ou corrosivas, como detergentes, produtos químicos e de beleza odem lesar de forma irremediável nossa boca, garganta, estômago e intestinos.
Defender nosso corpo, zelar por ele é tabém regra de felicidade, pois quando menos infelicitado pelos nossos descuidos, mais possibilidades de agir, trabalhar, estudar, progredindo sempre, ele nos propicia.



Conselhos devem se seguidos à risca.

Bastam alguns cuidados e os riscos dos acidentes domésticos diminuem sensivelmente. Os especialistas selecionam dez conselhos capazes de trazer a paz de volta aos lares são eles:

*Não aponte armas de fogo em brincadeiras e verifique antes de limpá-las se estão carregadas.

*É sempre prudente colocar grades de proteção nas janelas dos apartamentos (Ilust. 01)


* Gradil de segurança no alto das escadas evita quedas graves e até mesmo fatais.


*Cozinha não é lugar de criança. Não deixe facas, objetos cortantes e panelas no fogo com o cabo exposto ao alcance das crianças. (Ilust. 02)


* Não tente consertar antenas ou aparelhos elétricos e não permita que seu filho empine pipas próximo às redes de energia. (Ilust. 03)


* Não deixe substâncias tóxicas ao alcance das crianças. Todos os produtos de limpeza, pesticidas, medicamentos, produtos químicos e de beleza devem ficar trancados em armários e gavetas.


* Nunca coloque gasolina , querosene, detergentes e outros produtos tóxicos em garrafas de refrigerante. Muitas pessoas já ficaram intoxicadas devido a esse tipo de negligência.

* Um poço destampado é perigo certo. Coloque uma tampa pesada para que as crianças não consigam removê-la. (Ilust. 04)


*Na periferia, há a síndrome do tanque. As crianças costumam subir em tanques mal instalados que caem sobre elas rompendo o baço ou causando graves hemorragias internas.

*A curiosidade da criança é um fato. Mostre-lhes os perigos a que estão sujeitas.







DINÂMICA







FONTE: Apostila FEB - 1º ciclo de Infância. V unidade: O Espiritismo.
Coleção de planos de aula Nº3.



domingo, 9 de outubro de 2011

Aliança da Ciência com a Religião




INTRODUÇÃO

A Ciência e a Religião são a base do progresso do ser humano. A Ciência ensina as leis do mundo material e a religião revela as leis do mundo moral. Uma ajuda a outra. E a proposta do Espiritismo é que as duas caminhem juntas, sem conflitos. A Ciência deve considerar e observar o elemento espiritual e a Religião, conhecer a Ciência.

Evangelho Segundo Espiritismo para a Infância e Juventude. Vol 1.



PERGUNTAS


*O que é uma aliança?

*O que é ciência? ( Deixar que falem o que vier a mente: cientistas, laboratórios, medicamentos...)

*O que você entende por religião? (Explicar a diferença entre a religião e a Doutrina: A religião foi criada pelos homens a Doutrina pelos espíritos).

* Por que a Ciência e Religião, até o momento, não puderam se entender? (Cada uma acha que está com a razão, cada uma vê as coisas do seu ponto de vista)

*Os cientistas admitem Deus?

* É possível uma união entre as duas? Como? (Através do Espiritismo)

* Qual a condição espiritual de um ser que veio exercer a medicina na Terra? (Seu comprometimento, grau, responsabilidade, formação...)

*Qual o limite entre a medicina e a estética? Qual a visão do lado espiritual sobre essa questão tão atual?

*Como um médico pode unir a ciência e a religião no seu trabalho? (Ex:Através de orações)

*Como os espíritos podem atuar no campo da ciência?

*Existem milagres?

*Por que se descobrem medicamentos para curar determinadas doenças e outras não? (Como ficaria nossos pagamentos de dívidas, se tívessemos a cura para tudo?).

* O que é a depressão? Ela existe mesmo? Qual o remédio?






REFLEXÃO sobre as seguintes frases:

*Os cientistas dizem que são oito os palnetas do sistema solar, pois plutão foi excluído por ser o menor e o mais distante. Como a ciência pode comprovar isso?
Fazer a leitura do Capítulo III do Evangelho - Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai.

*A origem do Big Bang (desenvolvimento inicial do universo). Como surgiu? Foi através de uma explosão mesmo? Como a ciência pode comprovar?

*O Mapa Mundi é exatamente como aprendemos na escola?



Perguntar se eles sabem mais exemplos.



Os avanços da Ciência aproximam-na da Religião.

1)Estudo realizado com 232 pacientes operados do coração na Dartmounth Medical School mostrou um percentual de cura dos pacientes religiosos três vezes superior ao dos que não manifestavam interesse pela religião. Outra pesquisa, realizada no North Carolina Hospital, demonstrou que a depressão e as doenças físicas têm incidência menor em pessoas que freqüentam regularmente a igreja. (Fevereiro/1997.)

2)Pesquisa realizada com 50 estudantes de Direito dos Estados Unidos, conduzida por Suzanne
Segerstrom, da Universidade de Kentucky, revela que o otimismo pode fortalecer o sistema
imunológico ou, pelo menos, reduzir os efeitos do estresse. (Julho/1998.)

3)A principal causa de agressividade das crianças, segundo o pesquisador americano Robert Blum, da Universidade de Minnesota, é a falta de amor. Blum baseia essa conclusão numa pesquisa feita com doze mil meninos, a pedido da Clínica Mayo, e é apoiado pelos psicanalistas Fritz Redl e David Wineman. (Junho/1999.)

Fonte: www.oconsolador.com.br/3/especial.html



Para casa:

Pesquisar sobre o tema:

Os avanços da ciência aproximam-na da religião.



Aliança da Ciência com a Religião.

8 – A Ciência e a Religião são as duas alavancas da inteligência humana. Uma revela as leis do mundo material, e a outra as leis do mundo moral. Mas aquelas e estas leis, tendo o mesmo princípio, que é Deus, não podem contradizer-se. Se umas forem à negação das outras, umas estarão necessariamente erradas e as outras certas, porque Deus não pode querer destruir a sua própria obra. A incompatibilidade, que se acredita existir entre essas duas ordens de idéias, provém de uma falha de observação, e do excesso de exclusivismo de uma e de outra parte. Disso resulta um conflito, que originou a incredulidade e a intolerância.

São chegados os tempos em que os ensinamentos do Cristo devem receber o seu complemento; em que o véu lançado intencionalmente sobre algumas partes dos ensinos deve ser levantado, em que a Ciência, deixando de ser exclusivamente materialista, deve levar em conta o elemento espiritual; e em que a Religião, deixando de desconhecer as leis orgânicas e imutáveis, essas duas forças, apoiando-se mutuamente e marchando juntas, sirvam uma de apoio para a outra. Então a Religião, não mais desmentida pela Ciência, adquira uma potência indestrutível, porque estará de acordo com a razão e não se lhe poderá opor a lógica irresistível dos fatos.

A Ciência e a Religião não puderam entender-se até agora, porque, encarando cada uma as coisas do seu ponto de vista exclusivo, repeliam-se mutuamente. Era necessária alguma coisa para preencher o espaço que as separava, um traço de união que as ligasse. Esse traço está no conhecimento das leis que regem o mundo espiritual e suas relações com o mundo corporal, leis tão imutáveis como as que regulam o movimento dos astros e a existência dos seres. Uma vez constatadas pela experiência essas relações, uma nova luz se fez: a fé se dirigiu à razão, esta nada encontrou de ilógico na fé, e o materialismo foi vencido.

Mas nisto, como em tudo, há os que ficam retardados, até que sejam arrastados pelo movimento geral, que os esmagará, se quiserem resistir em vez de se entregarem. É toda uma revolução moral que se realiza neste momento, sob a ação dos Espíritos. Depois de elaborada durante mais de dezoito séculos, ela chega ao momento de eclosão, e marcará uma nova era da humanidade. São fáceis de prever as suas conseqüências: ela deve produzir inevitáveis modificações nas relações sociais, contra o que ninguém poderá opor-se, porque elas estão nos desígnios de Deus e são o resultado da lei do progresso, que é uma lei de Deus.

Allan Kardec – O Evangelho Segundo O Espiritismo – Aliança da
Ciência Com A Religião – item 8.


By Soraia Mendes




segunda-feira, 3 de outubro de 2011

EDUCAÇÃO

RECEBI POR E-MAIL E REPASSO...


TRISTE... MAS É A REALIDADE.
















domingo, 2 de outubro de 2011

AS MESAS GIRANTES





AS MESAS GIRANTES.

(... )Voltemos ao período áureo das mesas girantes...


O professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, externou em fins de 1854, ao amigo Fortier, sua opinião a respeito dessas singulares manifestações. Entre várias hipóteses que se depararam ao raciocínio pon­derado do ilustre pedagogista, sobressaiu, naturalmente, a de que tudo poderia enquadrar-se nos limites de uma simples ação do fluido magnético. "Tal foi o primeiro pensamento que tive, como tantos outros" - declarou ele mais tarde. (...)

(...) Todavia, a trajetória missionária do Prof. Rivail, traçada de mais Alto, devia cumprir-se, para que cum­prida fosse a promessa do Cristo quanto ao Consolador. "São chegados os tempos - anunciavam unanimemente as Vozes do Além - marcados pela Providência para uma manifestação universal. Têm eles o encargo de dissipar as trevas da ignorância e dos preconceitos. É uma nova era que desponta e prepara a regeneração da Humani­dade." Fora Rivail escolhido para dar destacado impulso a essa nova era, escolhido dentre aqueles gigan­tes Espíritos que através dos séculos reencarnam com o objetivo de guiar a Humanidade em sua marcha ascen­dente para o conhecimento e triunfo da Verdade.

Ainda em 1854, o Prof. Rivail encontrou-se nova­mente com o magnetizador Fortier, que desta vez lhe foi logo dizendo: "Temos coisa muito mais extraordi­nária; não só se consegue que uma mesa se mova, magne­tizando-a, como também que fale. Interrogada, ela res­ponde”.(...)


"Eu estava - justificou ele sua reservada atitude ­em face de um fato inexplicado, aparentemente contrário às leis da Natureza e que a minha razão repelia. Nada vira ainda, nem observara; as experiências, realizadas em presença de pessoas honradas e dignas de fé, confir­mavam a possibilidade do efeito puramente material, mas a idéia de uma mesa falante ainda não me entrava no cérebro." (...)


(...) Assim, numa terça-feira de Maio de 1855, às vinte horas, conforme fora combinado, o Prof. Rivail compa­recia ao citado local. "Foi aí - depõe ele próprio - que, pela primeira vez, presenciei o fenômeno das mesas que giravam, saltavam e corriam em condições tais que não deixavam lugar a qualquer dúvida." "Vimos a mesa mo­ver-se, levantar-se, dar pancadas, sob a influência de um ou de vários médiuns. O primeiro efeito inteligente observado foi o obedecerem esses movimentos a uma de­terminação. Assim é que, sem mudar de lugar, a mesa se erguia alternativamente sobre o pé que se lhe indi­cava; depois, caindo, batia um número determinado de pancadas, respondendo a uma pergunta. Doutras vezes, sem o contacto de pessoa alguma, passeava sozinha pelo aposento, indo para a direita, ou para trás, executando movimentos diversos, conforme o ordenavam os assis­tentes." (O Livro dos Médiuns, §67. ) "Assisti também a alguns ensaios, muito imperfeitos, de escrita mediúnica numa ardósia, com o auxílio de uma cestinha. Minhas ideias estavam longe de precisar-se, mas havia ali um fato que necessàriamente decorria de uma causa. En­trevi, naquelas aparentes futilidades, no passatempo que faziam daqueles fenômenos, alguma coisa de sério, como que a revelação de uma nova lei, que tomei a mim estu­dar a fundo."

(...) Rivail podia finalmente declarar, como o fez o Sr. De­lorme, diretor de um dos principais estabelecimentos de ensino de Lião: "O que eu vi é bem claro e bastante positivo. Os fatos para mim já não são duvidosos; o que ignoro são as causas”.


(...) Continuando a freqüentar as reuniões da Sra. Plai­nemaison, o célebre professor, que adquirira no estudo das ciências exatas o hábito das coisas positivas, subme­teu tudo a meticuloso e esperto exame a fim de ajuizar, de vez por todas, a veracidade, ou falácia da fraude e de outras hipóteses que se achavam em voga. "Busquei ­salientou ele - explicar-me tudo, porque não costumo aceitar ideia alguma, sem lhe. conhecer o como e o porquê."


(...) "Aí - recordou posteriormente Rivail -, tive ensejo de ver comunicações contínuas e respostas a perguntas formuladas, algumas vezes até a perguntas mentais, que acusavam, de modo evidente, a intervenção de uma inteligência estranha." Essas inteligências reiteravam, em todas as partes do Mundo, a sua condição de Espíritos, de almas daqueles que já tinham vivido na Terra. "Nin­guém - salientou o professor lionês - imaginou os Es­píritos como meio de explicar o fenômeno; foi o próprio fenômeno que revelou a palavra." Fatos irrecusáveis, por ele mesmo presenciados, confirmaram-lhe a veracidade daquelas singulares afirmações.(...)



JOGO DAS BATIDAS

Objetivo: Fixar e/ou avaliar o conteúdo da aula.

Desenvolvimento:

1. O Evangelizador explicará que o jogo consiste em reponder perguntas através de um código.

2. Apresentar o código:

* Não - uma batida.

*Sim- duas batidas.

3. O Evangelizador lerá uma pergunta e as alternativa uma de cada vez, de forma pausada e vagarosa, aguardando as respostas dos alunos através de batidas.

4. O evangelizando ouvirá atentamente a leitura da questão e as alternativas das respostas. A cada alternativa executará o código. Se a alternativa estiver correta dará ( com a mão mechada como quem bate à porta) 2 batidas sobre a mesa e, se estiver errada 1 batida.

5. O jogo poderá ser mantido enquato hover interesse por parte do grupo. Se necessário elaborar mais questões que venham fixar e/ou avaliar as informações transmitidas no transcurso da aula.

PERGUNTAS

1. Quem revelou a Doutrina Espírita? * Maria José * Alan Kardec

2. Quem respondia as perguntas de Kardec? * As mesas * Os Espíritos

3. Que objetos giravam e pulvam? * Mesas * televisão

4. Como era Kardec? * Estudioso * Não gostava de estudar

5. Qual era a profissão de Kardec? * Pedreiro * Professor

6. Quem movimentava as mesas? * Os homens * Os Espíritos

7. Onde nasceu Alan Kardec? * França * Brasil



Fonte: Apostila FEB. 1º ciclo de Infância - V Unidade: O Espiritismo
Coleção de planos de aula nº 03